Tocantins, 16 de setembro de 2019 - Mira Jornal - 00:00

Estado

TRE-TO cassa mandatos do prefeito, vice, vereador e suplentes e determina novas eleições em Lajeado

09/09/2019 11h32

Foto: Divulgação Atual prefeito de Lajeado, Tércio Melquiades
Segundo Manzano, esse foi um caso inédito na Justiça Eleitoral do Tocantins

O Tribunal Regional Eleitoral do Tocantins (TRE-TO) concluiu o julgamento da Ação de Investigação Judicial Eleitoral (Aije), na sessão desta segunda-feira (9), e cassou os mandatos do prefeito e vice de Lajeado, a 50 km de Palmas. A Corte determinou a realização de novas eleições.

A ação foi promovida pelo segundo colocado nas eleições de 2016, Antônio Luiz Bandeira Júnior, por abuso de poder político e compra de votos.

Segundo a Aije, a então prefeita na época, Márcia da Costa Reis Carvalho, que já estava concluindo o segundo mandato consecutivo, iniciou um loteamento irregular, com aproximadamente 250 terrenos, com o objetivo de distribuir a eleitores de forma indiscriminada, sem critérios sociais e sem qualquer legislação específica autorizadora, com a finalidade de beneficiar eleitoralmente o seu candidato a prefeito Tercio Melquiades e vários candidatos a vereadores.

Por isso, por 6 votos a 1, o TRE cassou o mandato do prefeito Tércio Melquiades e do vice Gilberto Borges. Também foram cassados o vereador Adão Tavares e os suplentes de vereador Thiago Pereira da Silva, Nilton Soares de Sousa, Ananias Pereira da Silva Neto, Manoel das Neves Sousa Correa. A Corte Eleitoral também aplicou pena de multa e inelegibilidade a todos eles, inclusive à ex-prefeita Márcia da Costa Reis Carvalho.

Conforme o advogado que atua no caso, Leandro Manzano, “as condutas perpetradas pela ex-prefeita possuiu a nítida finalidade de benefício ao atual prefeito e vários candidatos a vereador, uma vez a referida conduta atingiu a normalidade, legitimidade e igualdade nas eleições de 2016, pois foi totalmente viciada, isso devido ao abuso de poder político e econômico, captação ilícita de sufrágio e condutadas vedadas aos agentes públicos, o que foi devidamente reconhecido e punido pela Justiça Eleitoral.

Segundo Manzano, esse foi um caso inédito na Justiça Eleitoral em que houve a incidência de sanções previstas na legislação eleitoral a oito pessoas simultaneamente. 
Do AF/Arnaldo Filho)

   

Comentários (0)

  • Nenhum comentário publicado. Clique aqui para comentar.

Mais vídeosVideo Mira

QUEM MATOU MOISÉS? (Um Ano Depois)


No dia 30 de agosto de 2018, o então prefeito de Miracema do Tocantins, Moisés da Sercon, foi encontrado morto dentro de seu carro com um tiro na cabeça.

Inusitada Produções

Comente

  • José Professo
    12/09/19 09h34
    Incrível como os ditados antigos fazem eco até nos dias atuais. "Os iguais se protegem a todo custo doa onde...
  • Aílton Ferreira Araújo
    10/09/19 08h35
    Um ano sem um grande amigo Moisés, hoje tem a mesma pergunta Quem matou o Moisés? esta difícil de achar o culpado,...
  • Aílton Ferreira Araújo
    10/09/19 08h28
    Vai começar a caça aos pobre, não quero você, e sim o seu voto, e Miracema, tem muitos desses falsos políticos.
VER TODOS OS COMENTÁRIOS

Jornal Impresso

Em Breve
2010 c Mira Jornal. Todos os direitos reservados.