Tocantins, 30 de maio de 2020 - Mira Jornal - 00:00

Coluna do Zé

Miracema 70 anos, uma história de amor

24/08/2018 06h35

Miracema, uma história de amor

Neste dia 25 de agosto, Miracema do Tocantins completa 70 anos de emancipação política. De 1948 a 2018, a “pacata cidade de Miracema do Norte” – como chamavam os conservadores da cidade – sobreviveu às tempestades e conviveu com a bonança. Antes de libertar-se do jugo de Santa Maria do Araguaia (hoje Araguacema), Miracema foi Bela Vista – nome dado pelo primeiro morador, Pedro Praxedes, no início dos anos 20.

Tudo começou quando, no inicio da década de 20, alguns negociantes sertanejos subiram rio Tocantins acima, vindos do Norte e Nordeste, em barcaças carregadas de produtos como sal, couro e miudezas para serem vendidos ou trocados na região.

O local onde hoje é o Ponto de Apoio (Praça Pedro Praxedes), foi transformado por eles em entreposto comercial, logo dando lugar a um povoado onde os não índios passaram a conviver com os Xerentes que habitavam as duas margens do rio Tocantins e toda a região até Porto Nacional.

O primeiro nome ‘Bela Vista’ teria sido denominado por Pedro Praxedes, após deslumbrar-se com a beleza do lugar, confirma seu neto, o advogado Ney Luz Praxedes.

A partir daí outros povoados foram sendo formados, principalmente pelas descobertas dos garimpos de Piaus e Monte Santo, como os povoados de Correntinho (o primeiro bairro de Miracema) e Lageadinho.

Depois da construção da rodovia Belém/Brasília o desenvolvimento chegou à região, quando Bela Vista foi escolhida pela Superintendência de Valorização da Amazônia (SPVEA) para sediar o porto fluvial que levaria materiais e operários para edificação da Ponte SPVEA. Já em 12 de novembro de 1934, o então presidente Getúlio Vargas assinou um decreto elevando todas as sedes de Distritos à categoria de Vila, quando Américo Vasconcelos aproveitou para sugerir a mudança do nome de Vila Bela Vista para Vila Miracema. O nome foi confirmado pela Portaria Nº 32 de 8 de outubro de 1941 assinada pelo então prefeito de Couto Magalhães, Colotário Nogueira, que nomeou Rosa Nolêto Luz para exercer a função de sub-prefeita.

Dois anos depois, com a proibição de dualidade de nomes imposta pelo governo federal, através do Decreto Nº 8305/1943, autoridades desconhecidas substituíram o nome Vila Miracema por Vila Cherente (com “ch”).
Emancipação conquistada - A luta para o desenvolvimento estava apenas começando. A Vila estava sob o julgo dos poderosos da sede do município de Couto Magalhães - distante cerca de 240 km - que eram indiferentes aos problemas da região.

As eleições estavam próximas. A saída seria apoiar um candidato a prefeito e vereadores da Vila.
. Na sede do município, em Santa Maria do Araguaia (atual Araguacema), ao saber que a Vila Cherente teria representantes para disputar as eleições, o presidente do PSD (Partido Social Democrata), João Duarte de Souza, criou também o diretório da UDN (União Democrática Nacional), sob a presidência de sua mulher, Isaurina Maranhão de Souza, objetivando uma coligação com os dois únicos partidos, impedindo assim as candidaturas dos representantes da Vila.
Em Goiânia havia sido criado o Partido Socialista Brasileiro (PSB), cujo presidente, Senador Domingos Velasco, ofereceu a legenda a Américo Vasconcelos que não pensou duas vezes e aceitou.

As eleições aconteceram dia 7 de dezembro de 1947, tendo como candidato a prefeito, José Hespanhol da Silva, pela coligação UDN/PSD e João Reis pelo PSB, representado a Vila Cherente, juntamente com quatro candidatos à Câmara Municipal: Américo Vasconcelos, Zacarias Rocha, Elias Bozaipo e Delfino Araújo.

O PSB elegeu o prefeito e os quatro vereadores e a cerimônia de posse transcorreu com frieza e hostilidade.
O desmembramento - A resolução Nº 1, de 10 de março de 1948, de autoria do vereador Delfino Araújo/PSB, pedindo o desmembramento do terceiro Distrito (Vila Cherente) do município de Couto Magalhães, com sede em Santa Maria do Araguaia - foi o primeiro trabalho da nova Câmara Municipal - aprovada por unanimidade. A mesma propositura pedia ainda o desmembramento de Tupirama e sua anexação ao novo município, denominado Miracema de Goiás.

Naquela época, foi concebido o movimento separatista em favor da criação do Território Vale do Tocantins, que contaminou até o mais simples cidadãos, por isso o nome Miracema de Goiás não agradou a maioria dos habitantes e foi preciso um plebiscito para definir: de Goiás ou do Norte? Ganhou Miracema do Norte por maioria esmagadora.

Em 25 de agosto de 1948, a Lei Nº 120, sancionada pelo governador de Goiás, Jerônimo Coimbra Bueno, criava o município de Miracema do Norte, cuja instalação ocorreu dia 1º de janeiro de 1949, sendo nomeado o prefeito Nereu Gonzalez Vasconcelos, sucedido pelo primeiro prefeito eleito, Eurípedes Pereira Coelho, em 29 de maio de 1949.
Capital do Tocantins - Quarenta anos depois de sua emancipação, Miracema do Tocantins, foi escolhida, dia 7 de dezembro de 1988, para ser capital provisória do novo estado – Estado do Tocantins - criado pela promulgação da Constituição de 5 de outubro daquele ano.

Uma decisão salomônica do primeiro governador do Estado, José Wilson Siqueira Campos, para evitar uma disputa entre Porto Nacional, Gurupi e Araguaína, que queriam ser capital provisória (quem sabe depois reivindicar ser definitiva) optou por Miracema, terra de seu amigo Raimundo Nonato Pires dos Santos (Raimundo Boi) e próxima à região onde escolheu para edificar uma cidade (Palmas).

Em 1º de janeiro de 1989, já denominada Miracema do Tocantins, passou a ser a primeira capital do Estado, quando nela foram instalados os Três Poderes (Executivo – Legislativo - Judiciário) do mais novo estado brasileiro, a 26ª estrela da Bandeira do Brasil.

O berço nascedouro do Tocantins, a partir daí, sorriu, sofreu e chorou. A felicidade estampada em sorrisos quando recebia inúmeras pessoas – investidores, aventureiros, empreendedores e trabalhadores em geral – vindas de todas as partes do país, em apenas um ano foi transformado em sofrimento, que levou os miracemenses ao desespero, que lhe impôs um choro que parecia eterno.

Um suposto desentendimento entre o primeiro governador do Tocantins, José Wilson Siqueira Campos e o então prefeito de Miracema, Sebastião Borba dos Santos, que teria como motivo o domínio das cotas do Fundo de Participação do Estado e do Município, provavelmente tenha antecipado a transferência da Capital para Palmas, começada a ser construída dia 20 de maio daquele ano. A transferência aconteceu seis meses e alguns dias depois de iniciada a obra, ainda em barracões, sem infraestrutura de forma improvisada.

Por José Carlos de Almeida - [email protected] - cel./sapp (63) 981200510
 

   

Comentários (0)

  • Nenhum comentário publicado. Clique aqui para comentar.

Mais vídeosVideo Mira

Coronavírus: O que a covid-19 faz com o seu corpo

APOIO:
MIRA Jornal
A Liberdade de Imprensa é a sua Liberdade

Comente

  • ELISIO FERREIRA
    29/05/20 12h19
    tenham paciencia com a maioria desses grupos de sap. Só nada a ver com o objetivo, Só abobrinha e pior são os...
  • Zilda D. Rodrigues
    27/05/20 19h12
    Gosto muito desse site, Morei ai de 95 a 99, quando passei pro concurso aqui. Sigo sempre o nosso mirajornal. as...
  • José Professor
    22/05/20 09h36
    Temos mais de 5.570 municípios no Brasil e dentre eles mais de 3.500 com a COVID19 presentes. Com certeza todos os...
VER TODOS OS COMENTÁRIOS

Jornal Impresso

Em Breve
2010 c Mira Jornal. Todos os direitos reservados.