Tocantins, 06 de julho de 2020 - Mira Jornal - 00:00

Estado

Justiça Federal decide mandar processo criminal da Operação Ápia para a Justiça Eleitoral

23/06/2020 21h34

Foto: Assembleia Legislativa/Divulgação Sandoval Cardoso é ex-governador do Tocantins
Processo investiga dinheiro que teria sido usado para financiar campanhas de ex-governador e deputado federal. Irregularidades teriam acontecido em 2014.

A Justiça Federal decidiu enviar para a Justiça Eleitoral um processo criminal que apura corrupção e lavagem de dinheiro envolvendo dois ex-governadores e um deputado do Tocantins. O esquema investigado é um dos desdobramentos da operação Ápia e envolvia contratos para pavimentação e conservação de rodovias no estado. O dinheiro supostamente desviado teria sido utilizado para o financiamento irregular de campanhas eleitorais em 2014.

A decisão do juiz João Paulo Abe foi publicada nesta segunda-feira (22). A investigação envolve uso de dinheiro desviado para pagar uma agência de publicidade, custear pesquisas eleitorais e doações para campanhas. Por isso, o juiz entendeu que os fatos devem ser julgados pela Justiça Eleitoral.

“A competência criminal da Justiça Eleitoral alcança não apenas os crimes que atentem diretamente contra o processo eleitoral, mas, de igual modo, os que com estes sejam conexos, ainda que, se analisados isoladamente, fossem originariamente de competência da Justiça comum, seja ela estadual ou federal.”

Neste processo específico, o Ministério Público Federal denunciou seis pessoas por peculato-desvio, corrupção passiva e ativa, desvio de finalidade em financiamento e lavagem de capitais.

Foram denunciados os ex-governadores José Wilson Siqueira Campos (DEM) e Sandoval Cardoso (SD); o deputado José Eduardo Siqueira Campos (DEM); o ex-secretário de Infraestrutura e Presidente da Agência de Máquinas e Transportes do Estado do Tocantins, Alvicto Ozores Nogueira; assim como o ex-superintendente de Operação e Conservação de Rodovias, Renan Bezerra de Melo Pereira, e o empresário Wilmar Oliveira Bastos.

A investigação
A investigação apontou que o dono de uma empreiteira recebeu recursos públicos de contratos com a Agência de Máquinas e Transportes do Estado do Tocantins (Agetrans) por obras não realizadas e pagou propina para agentes públicos.

Foram encontrados indícios de que parte do dinheiro foi usado para custear gastos de campanha eleitoral do ex-governador Sandoval Cardoso e do deputado estadual José Eduardo Siqueira Campos, que na época era secretário de Relações Institucionais.

Os investigadores encontraram registos de pagamento de quase R$ 500 mil para uma agência de publicidade. O dinheiro teria sido usado para pagar cartazes usados em campanha e até para contratar uma pesquisa de opinião para o cargo de governador.

As investigações também apontaram depósitos para comitês de campanha e até o repasse de R$ 100 mil para o deputado Eduardo Siqueira pagar de um empréstimo pessoal.

O que dizem os citados
A defesa de Renan Bezerra informou que não vai se manifestar.

A defesa do ex-governador Siqueira Campos informou que a "decisão de declinar da competência da Vara Penal da Justiça Federal para a Justiça Eleitoral é acertada e atende as preliminares arguidas pela defesa. Agora, ao compulsar os autos, conhecer o processo, a primeira indagação que se faz é: o que está fazendo o ex-governador Siqueira Campos naquela denúncia? Não há nenhuma coerência, nenhuma conexão, nenhum vínculo que justificasse essa malfadada acusação, pois a denúncia do MPF é genérica, inverte a verdade dos fatos, acusa irresponsavelmente um inocente, busca uma imputação objetiva, sem demonstrar minimamente quaisquer provas”.

Os demais citados foram procurados, mas não se manifestaram até a publicação desta reportagem.
(Do G1TO)

   

Comentários (0)

  • Nenhum comentário publicado. Clique aqui para comentar.

Mais vídeosVideo Mira

CASO QUEIROZ: O QUE SE SABE ATÉ AGORA E ATÉ ONDE AS INVESTIGAÇÕES PODEM CHEGAR

Com a prisão de Fabrício Queiroz, dia18, no sítio de Frederick Wassef em Atibaia, as investigações envolvendo o ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro entram em uma nova etapa. Os repórteres Flávio Costa e Herculano Barreto Filho contam o que se sabe até agora sobre o caso e quais rumos essa investigação pode tomar.

Comente

  • Jorge Brás
    12/06/20 01h15
    quantos desmandos se vê por ai e ninguém faz nada. Festinha em fazendas, churrasco em chácara e tá tudo bem.
  • José Professor
    10/06/20 10h02
    Posso até estar errado na minha maneira de pensar ao constatar que grande parcela da população é imune a ÉTICA e...
  • Hevandro Carvalho
    08/06/20 12h04
    Gostaria que o site pudesse fazer uma reportagem sobre a história dos vice-prefeitos de Miracema.é possivel caro editor?
VER TODOS OS COMENTÁRIOS

Jornal Impresso

Em Breve
2010 c Mira Jornal. Todos os direitos reservados.