Tocantins, 27 de abril de 2018 - Mira Jornal - 00:00

Brasil

REFORMA TRABALHISTA OFICIALIZA FRAUDE E BENEFICIA O MAU EMPREGADOR, DIZ PROCURADOR DO MPT

14/07/2017 19h08

Procurador-geral do Trabalho, Ronaldo Fleury, criticou duramente o projeto de reforma trabalhista, sancionado sem vetos por Michel Temer nesta semana. Segundo ele, a legislação aprovada institucionaliza fraudes praticadas contra os trabalhadores e beneficia os maus patrões. "Todas as propostas ali estão redigidas para beneficiar o mau empregador, sempre deixando margem para uma precarização das relações de trabalho", diz Fleury; "O que está se criando são estruturas legais, fórmulas de trabalho que existiam 200 anos atrás, como a própria jornada intermitente", completa

O procurador-geral do Trabalho, Ronaldo Fleury, criticou duramente o projeto de reforma trabalhista, sancionado sem vetos por Michel Temer nesta semana. Segundo ele, a legislação aprovada institucionaliza fraudes praticadas contra os trabalhadores e beneficia os maus patrões. "Todas as propostas ali estão redigidas para beneficiar o mau empregador, sempre deixando margem para uma precarização das relações de trabalho", disse Fleury ao jornal Folha de São Paulo.

Para Fleury, a melhor forma de reduzir a judicialização do trabalho é a melhoria da fiscalização. "Nossa fiscalização do trabalho é falha. Temos um déficit de um terço de auditores. Se houvesse mais fiscalização, deixariam de descumprir a lei, e aí talvez nem precisasse da Justiça do trabalho. Na Escócia, por exemplo, o número de ações é muito pequeno. Mas o que acontece se o empregador não pagar o salário? Ele vai preso", afirma.

O procurador também observa que o empresário brasileiro ainda mantem uma "mentalidade escravocrata". "O Brasil ainda tem uma cultura escravocrata. Fomos um dos últimos países a abolir a escravidão e até hoje a escravidão é uma realidade. Mesmo nos grandes centros, nas grandes empresas, a mentalidade é escravocrata", destaca.

Para Fleury, a entrada em vigor de pontos como o contrato intermitente permitirá a institucionalização das fraudes. "É o que essa reforma está fazendo: tudo que era feito como fraude está sendo institucionalizado. Poderia ser contratado a um tempo parcial. Em vez de contratar por 44 horas, eu vou contratar a pessoa por 5 horas por semana. Isso é possível desde o fim dos anos 1990". "O que está se criando são estruturas legais, fórmulas de trabalho que existiam 200 anos atrás, como a própria jornada intermitente", completa.
 
Procurador-geral do Trabalho, Ronaldo Fleury, criticou duramente o projeto de reforma trabalhista, sancionado sem vetos por Michel Temer nesta semana. Segundo ele, a legislação aprovada institucionaliza fraudes praticadas contra os trabalhadores e beneficia os maus patrões. "Todas as propostas ali estão redigidas para beneficiar o mau empregador, sempre deixando margem para uma precarização das relações de trabalho", diz Fleury; "O que está se criando são estruturas legais, fórmulas de trabalho que existiam 200 anos atrás, como a própria jornada intermitente", completa
(Do 247 Brasil)


   

Comentários (0)

  • Nenhum comentário publicado. Clique aqui para comentar.

Mais vídeosVideo Mira

Dona Ivone Lara canta Acreditar e Sonho Meu no SR Brasil

cantora Dona Ivone Lara, de 97 anos, morreu na noite desta segunda-feira (16), no Rio de Janeiro, por conta de um quadro de insuficiência cardiorrespiratória. Ela estava internada desde sexta-feira (13), data em que completou 97 anos, no Centro de Tratamento e Terapia Intensiva (CTI) da Coordenação de Emergência Regional (CER), no Leblon, na Zona Sul da cidade.

Comente

  • Fernando Damaceno.
    26/04/18 03h08
    Tem um grande nível é bastante referência no município e no estado vem fazendo lindos trabalhos em benefício da...
  • Jonas Abreu
    19/04/18 23h06
    Não ativamos propaganda política extemporânea
  • Dadinha
    13/04/18 14h11
    Os créditos pela idealização do projeto, sem dúvidas e do nosso amigo thaller, agora não se pode negar de forma...
VER TODOS OS COMENTÁRIOS

Jornal Impresso

Em Breve
2010 c Mira Jornal. Todos os direitos reservados.